Um parto em partes – I

Eu tenho um compadre Alysson. Assim, com Y mesmo.
O rabugento Dr. Alysson é tão bom amigo que desviou sua rota Lisboa -> Maringá pra nos fazer uma visita aqui perto de Campinas.

Churrasco.

Gente de casa vc coloca umas latinhas pra gelar, passa um sal num pedaço de porco e tá feita a recepção pra colocar o papo em dia.

Elaine chegou do trabalho bem disposta e com aquela barriga enorme de 37 semanas.

– E aí! Quanto tempo!
– Opa! Como ta essa gravidez?
– Nooossa! Tá ótima. Tava trabalhando agora e até esqueço
– Puxa, que bom!
– Ops…
– “Ops” o que?
– Minha bolsa estourou, acho…
– É… a não ser que vc esteja fazendo xixi na calça, estourou

O Dr. Alysson é um profissional renomado. Vários trabalhos publicados e apresentados pelo mundo.

Doutor de verdade
Doutor com doutorado
Doutor… em Engenharia Elétrica.

Não era o tipo que precisávamos no momento. Sobrou pra ele a tarefa de cuidar do Pedro.
Contrações que começaram a cada 8 minutos rapidamente saltaram pra 6 e pra 4. Sabe o que isso significa, pai jovem? Que tá nascendo. Rápido.

Junta tudo, bora pro hospital.
Pedro com olhos marejados

– Onde vocês vão, pai?
Abaixo perto dele meio tremulo:
– Filho, chegou a hora do Felipe nascer. O papai precisa muito da sua ajuda agora. Preciso que vc fique aqui com o tio Alysson enquanto o pai vai no hospital com a mãe pro Felipe nascer. Você fica?
– [“não” com a cabeça, lágrimas]
– Filho, ajuda o pai…
– [“sim” com a cabeça]

Moramos na região metropolitana há uns 20Km da maternidade. Eu mal tinha virado 2 esquinas e a Elaine entre uma contração e outra me cobrava pra que eu desobedecesse a maldita lei uma vez na vida. Só se fosse a lei da gravidade. 19h, muitos carros.
Corri, costurei, fechei, fiz em 10 minutos mais cagada no trânsito do que em toda minha vida até que cheguei num congestionamento indescongestionável no meio de Campinas.

WUUUUULLLLLLL [sirene da policia]
Emparelha comigo uma viatura indignada da PM

– O QUE ACONTECE???
– Minha mulher está parindo.
– VAI NASCEEEEEEEEEEEERRRRRRRRRR AAAAAAAAAAAAAAAAIII!!!!!!!!!!!!!!
– Ah… vem atrás de mim – Disse o polícia

Atrás da sirene deles me senti um ziper de carros. A maçaroca motorizada ia se abrindo e vencemos a região central em poucos minutos.
Na porta da maternidade encontramos a Kellen, enfermeira obstetriz que contratamos pra acompanhar o processo.

Continua aqui!

Enquanto espera a continuação desta história, que tal participar da pré-venda do meu livro a ajudar a lançá-lo? Muitas histórias como esta estarão lá. Garanta o seu clicando aqui.

 

5 comentários sobre “Um parto em partes – I

  1. Olá Flávio.
    Não tem como seu livro não dar certo…..Seus textos são demaiiiiiis
    Uma coisa tão séria, me fez rir, por conta desse seu jeito de escrever.
    Sucesso, muito sucesso pra vc.

    Ah… estou esperando a continuação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *