Um parto em partes – III

Você está lendo a terceira parte de uma novela. Caso tenha caído aqui de para-quedas, veja aqui o primeiro capitulo.

Pegam rápido e colocam num berço aquecido ali do lado.

– Posso ver?
– Não.
– Pai, você pode descer lá pra assinar?
– Olha, eu entendo que vocês precisam disso. Mas eu quero ver o que vai acontecer com meu filho

Massagem, oxigênio, agitação, chorinho tímido. Pele começa a mudar de azul pra branco e depois pra rosa
Elaine me pergunta se está tudo bem. Ela não vê o carinha de onde está.

– Acho que sim – respondo
– Pai, você precisa assinar a internação

Ignoro.

Vem um choro decente, colocam o guri numa balança. 2750. Apgar 8. Felipe vive!

– Pai, precisamos que você assine a internação.

Mando a moça pra puta que pariu mentalmente e saio rápido rumo a recepção sem falar nada.
Não tiro toca, mascara, avental, nada. Chego desse jeito na recepção. Me olham estranho.

– Vim assinar (a porra) da internação (porque sua equipe está se cagando de medo de não ser paga) – parênteses mentais
– Ah sim. Hmm… os papéis ainda não estão prontos pra assinar.
– Por que eu vim aqui então?
– Não sei

Volto pro centro cirúrgico do mesmo jeito que saí carregando todas as bactérias do mundo normal. Perdão, pessoal da biossegurança.

Levaram Elaine pra uma sala onde homens não entram. Ficaria lá por uns 90 minutos antes de ir pro quarto. Dava tempo de ir pra casa e arrumar algo que ninguém pensa, ninguém cita, ninguém ensina quando se fala da hora H: a mala DO PAI pra maternidade. Segundo filho, preparo zero pra passar 3 dias fora de casa. Que burro! Zero pra mim.

Pais: quando virem suas grávidas preparando uma malinha milanos antes da data prevista, façam uma também. Não pergunte nada, nem deixe ela saber o que vc está fazendo.

Enfie numa mochila secreta(*) o kit básico do quase-pai que vai ter que sair correndo mais cedo ou mais tarde:

  • 3 cuecas
  • 3 camisetas
  • 1 roupa de dormir (é chato dormir do cueca num quarto que as pessoas ficam entrando e saindo sem avisar)
  • 1 calça (alguns hospitais não permitem entrada usando bermuda)
  • 1 calçado fechado (alguns hospitais não permitem entrada usando chinelos ou sandálias)
  • 1 desodorante
  • 1 papel anotado (papel mesmo porque na hora tudo pode falhar. Do carro à sua agenda do celular):
    • o telefone de 3 táxis
    • o telefone do obstetra que fez pré-natal
    • o endereço do hospital onde vocês pretendem virar pais
  • R$100-200 (pra não se lascar com taxis, estacionamentos pagos e pedágios sem ter um puto na carteira)

(*)Tem que ser secreta porque corre o risco dela querer te lembrar de 1000 coisas que você não precisa e vai acabar enfiando numa mala enorme só pra acabar logo com a conversa.

Voltei pra casa e peguei com atraso quase todas essas coisas listadas aí em cima.
Tomei um banho. Ser pai de 2 filhos te dá direito a um banho.

Veja o fim da história aqui.

Que tal participar da pré-venda do meu livro a ajudar a lançá-lo? Muitas histórias como esta estarão lá. Garanta o seu clicando aqui.

2 comentários sobre “Um parto em partes – III

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *